Arquivo Bettmann.

Presidential Camera Corps
BE027347 | © Bettmann/Corbis

Visão geral

O Arquivo Bettmann contém milhões de imagens. Mas a importância do Arquivo não está na quantidade de imagens, e sim na qualidade. As histórias que elas contam, as lições que ensinam e os sentimentos que inspiram são atemporais. Muitos dos negativos e impressões no Arquivo têm mais de cem anos de idade. A Corbis continua a investir na preservação de todas as inestimáveis imagens do Arquivo para gerações futuras.

O Arquivo Bettmann oferece uma extensa variedade de imagens separadas em cinco categorias básicas:

Eventos mundiais

Da explosão trágica de Hindenberg à coragem de Rosa Parks, e da ousadia dos Wright Brothers à energia de Marilyn Monroe, muitas das fotografias editoriais mais famosas da história fazem parte do Arquivo Bettmann. Nestas estão incluídas fotos dos melhores fotógrafos da United Press International, International News Photos, Acme Newspictures, Pacific and Atlantic, o New York Daily Mirror e Underwood & Underwood. Também estão incluídas fotografias que receberam o Prêmio Pulitzer, das comoventes às inspiradoras.

Personalidades

Fotografias cruas, fotografias cinematográficas, retratos tirados em estúdios de personalidades esportivas, líderes de indústria, e celebridades icônicas da era de filmes mudos até os anos 80.

Estilos de vida

Retratos da vida cotidiana das décadas passadas, da vida doméstica e crianças à carros e vida profissional.

Arte publicitária

Ilustrações e fotografias, geralmente engraçadas, foram criadas para vender uma extensa variedade de produtos e serviços do século XX.

Arte e Ilustrações

Gravuras, ilustrações e reproduções de arte que datam desde pinturas pré-históricas em cavernas.

Voltar ao início da página

Contando histórias

A intenção do Dr. Bettmann não era apenas de compilar imagens para seu interesse pessoal, mas de criar um dos primeiros sistemas de compartilhamento de imagem. E, desde o começo, foi exatamente isso o que aconteceu. Comunicadores profissionais contam com o Arquivo Bettmann para imagens que têm o poder de capturar a atenção de uma audiência... e segurá-la. Por isso, essas imagens continuam a ser vistas por milhões de pessoas do mundo inteiro em jornais, revistas, livros, propagandas, na TV e em filmes.

Voltar ao início da página

Otto Bettmann

Nascido em 15 de outubro de 1903 em Leipzig, na Alemanha, o Dr. Otto Bettmann começou sua carreira professional na Prussian State Art Library, em Berlim, como curador de livros raros.

Quando o caminho de sua carreira foi encurtado devido à ascensão do nazismo, Dr. Bettmann fez as malas, incluindo dois baús de viagem cheios de fotografias, livros e filmes, e mudou-se para Nova York em 1935.

Sua chegada em Nova York coincidiu com o início da popularidade do fotojornalismo. O jornal cinematográfico e as revistas ilustradas despertavam o que ele chamava de "o começo da era visual". Ao falar sobre sua boa sorte, Dr. Bettmann disse: "Todo mundo queria fotografias, e eu tinha dois baús cheios".

O Dr. Bettmann logo criou uma indústria para si mesmo, colecionando e classificando imagens para publicação. Alguns de seus primeiros clientes incluem Look Magazine, LIFE e o Book-of-the-Month Club. E a demanda do público para imagens crescia, estimulada primeiro pela Primeira Guerra Mundial e depois pela televisão. Mas não foi apenas casualidade que marcou o seu sucesso. O Dr. Bettmann selecionou as suas fotografias com uma incrível visão de relevância histórica, composição artística, drama e humor.

Até 1938, o Arquivo continha 15 mil fotografias e atualmente contém mais de 11 milhões, muitas das quais têm mais de 100 anos de idade.

Com o trabalho de uma vida inteira garantido, o Dr. Bettmann viveu seus anos remanescentes na Flórida, Estados Unidos, curtindo sua família e escrevendo livros. Ele escreveu nove no total, incluindo The Good Old Days, They Were Terrible e Our Literary History. Ele faleceu em 1998 com 94 anos de idade, tendo testemunhado muitos dos eventos mais dramáticos do século e assegurou que as gerações por vir também poderiam fazer o mesmo.

Voltar ao início da página